De

Clique na imagem para compartilhar no Facebook

Clique na imagem para compartilhar no Facebook

Reportagem do jornal Correio da Bahia publicada esta semana noticia que uma professora da Universidade Federal da Bahia (UFBA) tem recebido ameaças de morte por desenvolver pesquisas relacionadas à divisão sexual do trabalho.

Outros docentes também estão sendo ameaçados por desenvolverem pesquisas sobre gênero. Uma aluna de mestrado também foi ameaçada dias antes da apresentação da sua dissertação.

Parte dos casos foi denunciada pelo reitor João Carlos Salles, que divulgou carta repudiando “a opressão diantes das tentativas de cerceamento a todo um campo de produção do conhecimento científico”. Salles atribui as ameaças à onda de conservadorismo que tem emergido no país.

A campanha Calar Jamais! se solidariza com os pesquisadores. Cabe às autoridades investigar as ameaças e responsabilizar seus autores.


Faça sua denúncia aqui


#LiberdadeExpressão
#CalarJamais

Sobre o autor